Este Natal, não dês tralhas, dá de ti!

0

O fosso que existe entre as nossas expectativas e a nossa realidade é o que nos causa stress e ansiedade. É nesse fosso que vivem as ilusões/desilusões, os medos, a revolta, a vitimização, a ansiedade e outros poderosos monstrinhos interiores..

Infelizmente a maioria ainda vive preso a expectativas muito altas de conseguir atingir ideais de sucesso, poder, riqueza, perfeição que na maioria apenas alimentam uma frustração sem fim, pois uma energia invisível e inteligente parece sempre boicotar esses esforços tão bem-intencionados e trazer-nos à nossa vida o que tanto queremos evitar.

A maior parte vive sem noção nenhuma de que por trás da aparente liberdade que temos de lutarmos por ou de conseguirmos atingir esses ideais, há uma força maior que nos faz chegar nem sempre o que queremos, mas sempre o que precisamos.
Ou seja, há um propósito muito maior para a nossa existência do que os nossos limitados desejos imediatos nos fazem acreditar. Muito mais do que acumular meia dúzia de tralhas, um emprego e construir uma família, há um trabalho pessoal interior, emocional, profundo e espiritual a fazer e esse sim irá sempre criar na nossa vida as condições que ele precisa para que seja feito.

O ideal será então começarmos a olhar a vida sob essa perspectiva mais humilde que sempre questiona;

“Para que é que isto me está a acontecer?”, “Por que razão fui encontrar esta pessoa?”, “Como escolho responder a este evento sabendo que da minha acção virá uma reacção kármica idêntica de retorno?”

Achamos que vivemos numa sociedade dita “civilizada” comparada a tribos primitivas pelo mundo fora ou com países não industrializados.
De facto temos acesso a máquinas maravilhosas, artigos infinitos que nos facilitam a vida e nos enfeitam a personalidade mas que cada vez mais servem para esconder o vazio interior, a frustração e a revolta de não só não conseguirmos adquirir os infinitos artigos que achamos que precisamos como quando conseguimos adquiri-los, sofremos ao perceber que não nos trouxeram a tão ansiada felicidade.

Qualquer pessoa que já tenha viajado para países pobres e subdesenvolvidos choca-se sem duvida com o grau de pobreza e miséria desses locais e pessoas, mas percebe também que a maioria tem algo que nós não temos; a capacidade de aceitação das suas condições.
Há uma rendição à vida, o viver o momento. A alegria que têm é real, vem das profundezas do seu ser e não produto final de um qualquer “ter”. O fosso entre aquilo que têm e aquilo que querem é mínimo. Materialmente vivem na pobreza mas emocionalmente são muito mais ricos.

Basta uma ida nossa a qualquer shopping para sentirmos essa frustração e a altura do Natal que se aproxima ainda agrava mais pois gostaríamos de encher de tralhas quem mais amamos projectando as nossas carências emocionais e necessidades materiais nos outros.
Mais cedo ou mais tarde a vida convida-nos a parar para REalinharmos o mundo material e emocional. O equilíbrio surgirá quando a necessidade interior estiver alinhada com a possibilidade exterior. Quando fizermos as pazes com a vida e conseguirmos finalmente ver que é nas perdas e nos ganhos que a nossa balança se equilibra e tudo serve apenas esse propósito.

A maior parte dos processos de cura começa precisamente aqui. Em ajudar cada um a identificar as suas projecções, a desactivar as suas buscas automáticas de algo que está fora para preencher o vazio interior e permitir que a rendição se faça com a sua realidade.
Perceber que por trás da dor, do evento, da aparente sorte, do acaso está uma rede inteligente que nos trás as condições ideais do que precisamos.
Por exemplo a falta de dinheiro para comprar bons presentes convida-nos à criatividade, é uma proposta desafiante de valorizarmos algo que antes tomávamos por garantido ou que nunca valorizámos de todo, pede-nos que façamos chegar ao outro o amor que lhe temos de outras maneiras criativas.

Costuma-se dizer que o que é mau para o ego é bom para a alma e por isso numa realidade actual tão dominada ainda pelos desejos do ego, aproveitemos para tomar consciência das maneiras como afinal tratamos a nossa alma e a de quem nos rodeia.

Que este Natal que se aproxima nos permita dar aos outros mais do que somos do que propriamente o que compramos. Que a gratidão pelo que já temos e a aceitação pela pessoa que somos domine este tempo mágico. Que possamos criar novos rituais e tradições que contrabalancem o consumismo material do último século e que se foquem mais nas pessoas, no que não custa dinheiro e onde podemos dar mais de quem somos. Um prato especial confecionado por nós, adornos para a árvore de natal criados em casa, postais escritos relembrando o quanto os outros são importantes para nós, fotografias emolduradas de momentos maravilhosos, enfim, haja criatividade!
Que as pessoas passem de novo a ser o centro do Natal e não as tralhas que damos e recebemos..

De uma maneira ou de outra, que seja um Feliz Natal!

Vera Luz

Partilhe =)

Sobre o autor

Deixa um comentário

*

code