Estás a julgar quem?

2

Não é o que o outro é, diz ou faz que deve ser analisado e compreendido…
É o que o outro desperta, expõe e provoca em nós através do que é, diz ou faz que deve ser analisado e compreendido.

O outro é apenas um veículo cósmico que nos vem trazer o recado da nossa evolução.
É um espelho para o que somos ainda incapazes de ver em nós próprios.
Até compreendermos isto, o outro é a fuga, é o adiamento da nossa cura, é a projecção exterior, é a desresponsabilização, é o saco do nosso lixo que somos ainda incapazes de reciclar dentro de nós próprios.

Somos responsáveis pela nossa célula individual no que toca à sua existência, felicidade, valor, evolução, cura, manutenção. Tudo começa e acaba em nós.

O grau de ignorância e inconsciência desta mecânica é ainda tão forte que perdemos maior parte do nosso tempo a injectar energia nas duas posturas de fuga que em nada servem o propósito de evolução;

– Ou estamos presos à revolta a julgar e a projectar no outro a violência, abandono e frustração que negamos e precisamos sarar em nós.

– Ou estamos presos à vitimização, à lamúria e sentimento ilusório de injustiça que nos convém alimentar para nos mantermos na negação.

Os canais de televisão em geral hoje em dia servem bem de alimento a estas duas posturas.
Ou estamos a ser carrascos ou estamos a ser vitimas e em ambas as posturas uma infantil e deprimente falta de responsabilidade de reconhecermos tanto o melhor como o pior que existe em nós.
Lá chegará o dia em que o carrasco irá assumir a sua violência e perceber que um dia já foi vitima. A vitima também um dia irá perceber que um dia também já foi o carrasco. Ou seja, ambas as energias vivem em todos nós.

Nova postura responsável e espiritualmente evoluída;
A postura do meio como nos inspirou Buda.
Ou seja, assumir que os dois lados fazem parte de nós e que o lado do amor tem a capacidade interna de pacificar o lado do medo fechando assim o circuito interno de cura e evolução.

Na práctica

– Pacificamente confiar que tudo o que vem a nós é karmicamente atraído pela nossa vibração e como tal traz um recado de evolução para a nossa história.

– Agradecer internamente ao outro a oportunidade que ele trouxe de despertar sombras escondidas que podem agora sair da negação e ser saradas.

– Reconhecer as emoções que o outro despertou em nós.

– Libertar o outro.

– Assumir a responsabilidade pela cura dessas emoções em nós e transformação das mesmas em amor, humildade, aceitação e rendição aos processos de evolução karmicos.

– Após libertação das posturas internas da vitima e do carrasco, dá-se a integração dos dois lados como essenciais ao nosso equilíbrio e consciência.

A maturidade que todos tanto valorizamos não vem de cargos superiores, títulos ou acumulação de riqueza e bens materiais. Ela é sim e apenas fruto de quem consciente ou inconscientemente tem a capacidade de fazer este processo de integração da luz e sombra em si.
Enquanto a integração dos dois lados não acontecer, iremos sempre atrair situações que nos vêm mostrar o estado de desequilíbrio em que insistimos em nos manter.

Bem Hajam!
Vera Luz

Partilhe =)

Sobre o autor

2 comentários

  1. Julgar, achando que se está a ajudar o outro a reconhecer os seus defeitos, não é mais do que julgarmos a nós próprios sem dar-mos permissão ao outro que o faça connosco , é isto que fazemos a toda a hora e é isto que não reflectimos nem ensinamos os nossos filhos.
    Como sempre os seus artigos fazem-me reflectir sobre mim mesma e têm-me ajudado a evoluir como Ser.
    Grata

Deixa um comentário

*

code