A praga social que é a imaturidade ou “o padrão da criança”.

0

São muitos os obstáculos à nossa evolução tanto pessoal, como social, como espiritual.
Pessoalmente, a ignorância espiritual sobre as Leis Universais, sobre as dinâmicas Karmicas, sobre a inteligência da Vida, foi para mim um gigante obstáculo pois manteve-me num lugar de ingenuidade, ignorância e desorientação nos primeiros 30 anos da minha vida, fazendo escolhas que não respeitavam a pessoa que nasci para ser.

Esta ignorância é a responsável por a maioria das pessoas viver sem consciência, sem rumo ou orientação pessoal, acabando não raras vezes no fim da vida, em sofrimento mental (demências, distorção da realidade, vitimização), emocional (a depressão, tristeza, raiva, pânico e ansiedade), físico (cancros e as doenças devidas ao trauma emocional e mau estilo de vida) e espiritual (suicídios, drogas, alcoolismo, medo da morte).

Escusado será dizer que a nossa sociedade materialista e até a religião, não estão preocupadas com o bem estar, saúde e evolução do ser humano.

Muito cedo percebi e senti esta desorientação, esta falta de sentido nobre para a vida e foi nos estudos das ciências esotéricas, das leis do Universo, da Astrologia e Numerologia que me reencontrei e alinhei com o meu propósito superior.

Não foi nenhuma terapia ou pessoa mágica que me devolveu ao meu equilíbrio. Mas foi sim um conjunto de estudos, livros e mestres que me ensinaram a olhar para a mesma realidade com umas lentes novas, através das quais tudo está perfeito, tudo tem uma razão de ser e eu vejo-me completa tanto na minha sombra como na minha luz, com a consciência de onde venho e para onde vou.

Chocada por ter vivido tantos anos sem aquelas lentes mágicas e de perceber que a maioria não sabe que existem, abracei esta missão de transmitir o que aprendi e de ajudar cada um através destas lentes, a ver a magia e a beleza da vida, construída para apoiar e incentivar o nosso processo de evolução pessoal e ensinar-nos sobre as leis do amor.

Ao longo de todo o percurso do meu trabalho fui percebendo que por mais que tenhamos já hoje, ferramentas e conhecimento espiritual para nos libertarmos das dinâmicas Karmicas tóxicas e evoluir mais em uma vida do que evoluímos nas últimas 20, a verdade é que encontro sempre o mesmo obstáculo, um padrão presente em todas as famílias, incluindo a minha, um vírus que se espalha depois às áreas das relações amorosas, aos ambientes profissionais, às amizades e até a médicos e psicólogos, pessoas de quem esperamos idoneidade no que toca à cura.

A Imaturidade! Ou também apelidado “o padrão da criança”.

Este padrão quase invisível e até difícil de reconhecer numa pessoa de aparência adulta, não se manifesta apenas no bebé ou na criança pequena onde seria normal, mas sim e também no adulto infantilizado, irresponsável, com atitudes de criança mimada, totalmente inconsequente das suas ações, que faz birras violentas, que se vitimiza, que cobra, que julga e faz jogos de manipulação emocional e psicológica, procurando de forma direta conseguir ter aquilo que quer.
Mas porque estamos a falar de um padrão de total inconsciência pelo próprio, ele revela-se também de forma mais disfarçada na pessoa que acredita que ser adulto é casar, é ter um filho, é ter um emprego, em padrões de vitimização, na pessoa que dá demais, que se mantém sempre disponível, que diz que sim a tudo e a todos, no salvador que não se salva a ele próprio mas procura ser o herói na vida dos outros, como meio indireto de receber algo em troca.

Ao contrário destes padrões de imaturidade, temos a proposta da maturidade, o lugar do adulto. Não a maturidade distorcida da nossa sociedade que nos leva a acreditar que somos adultos aos 18, ou porque temos dinheiro na carteira ou guiamos um carro. Estou a falar da postura do adulto seguro, tranquilo, empático e responsável pela sua pessoa, pelas suas contas, pelas consequências das suas escolhas, pela sua vida, pela sua felicidade, estado adquirido algures no tempo de evolução da história de cada alma.

Ou seja, podemos até viver várias vidas em estado de imaturidade, criando todo o tipo de problemas e consequências, com as quais iremos ter que lidar karmicamente, algures numa vida futura, quando o processo de maturidade já estiver iniciado.

E como acontecerá isso?

A Lei do Karma e a Lei da Atração trarão à vida de cada um, referências desse passado na forma das pessoas difíceis e desafiantes que farão parte logo da família raíz e que depois se reproduzirão pela vida fora nas relações, filhos e trabalho, até que os padrões sejam identificados, curados e transmutados.

Por esta ordem de ideias, as pessoas difíceis de hoje, mostram-nos a pessoa que já fomos no passado. Ou seja, estamos o colher o que plantámos lá atrás. Essas mesmas pessoas estarão algures no futuro, já no lugar do adulto, a lidar com pessoas difíceis, que virão representar as consequências que elas estão a criar agora.

O que é então o processo de maturidade?

Podemos distingui-lo em duas vertentes;

O processo de maturidade pessoal começa pela autonomia financeira, por encontrar um lugar no mundo, por contribuir para a sociedade, por pagar as contas, por assumir responsabilidade pelos próprios actos, por manter saudáveis e respeitosas relações com os outros.

A maturidade emocional implica assumirmos responsabilidade pelo nosso nascimento, pela família escolhida, pelos karmas trazidos e reproduzidos nos eventos do palco das nossas vidas, pelas pessoas difíceis com quem temos ligações karmicas de forma a podermos então fazer a cura e libertá-las em amor e consciência.

Escusado será dizer que a maioria, por ignorância espiritual, vive presa neste estágio de projeções, culpas, vitimização, cobranças e exigências.

Tantas ilusões que a maioria ainda alimenta em procurar a família perfeita, o emprego perfeito, os filhos perfeitos, a vida perfeita sem qualquer consciência dos fios karmicos em que vive enredada e dos padrões repetitivos a que está presa.

Sem entendimento e maturidade sobre as dinâmicas que nos rodeiam, vamos responder sempre a partir do lugar da criança que em vez de resolver, ainda vai complicar mais.

Porque esta régua da “imaturidade —> maturidade” é invisível e apenas detectada por comportamentos e atitudes, e porque a lei da polaridade faz atrair o oposto, não é raro encontrarmos no mundo, estas duas referências do adulto e criança juntos e invertidos. Por exemplo;

O marido criança e a mulher adulta.
O patrão criança e o empregado adulto.
O pai ou mãe crianças e o filho adulto.
O médico criança e o paciente adulto.
O professor criança e o aluno adulto.
O general criança e o soldado raso adulto.
ETC.

O filme do Gladiador mostra bem este fenómeno onde o Imperador representa a criança e o Gladiador o adulto.

Estes confusos enredos karmicos, cheios de ilusões, dependências, apegos, culpas e projeções, onde vamos exigir maturidade do outro quando ainda não fizemos o nosso processo pessoal, são infelizmente a realidade da vida de cada um, devido precisamente à ignorância espiritual em que vivemos, impedindo e adiando que façamos o grandioso e exigente trabalho de maturidade pessoal.

Como podemos então ganhar mais consciência do processo de maturidade?

Podemos-nos inspirar nos 4 elementos;

FOGO – a sobrevivência; começa com percebermos quem somos, como aprendermos a estar sozinhos, como resolvemos os nossos problemas, como focamos na nossa vida, que tipo de objetivos temos, que coragem temos para viver a nossa vida à nossa maneira.

AR – a sociabilização; como pensamos, aprendemos e trocamos ideias positivas com os outros, que crenças nos amadurecem ou mantêm no lugar da criança, que atitude temos para com quem atraímos, como respeitamos a verdade de cada um, como falamos de forma honesta, transparente e verdadeira.

TERRA – a estrutura; como pagamos as nossas contas, como vivemos a nossa rotina, como tratamos dos nossos assuntos, com que disciplina e organização vivemos, como lidamos com a nossa responsabilidade social.

ÁGUA – as emoções; que responsabilidade já ganhámos pelas nossas dores e emoções negativas, que coragem já temos em pedir ajuda, que atitudes tomamos perante a nossa felicidade, que consciência e responsabilidade já temos pelos enredos karmicos com que nascemos.

A terapia, o desenvolvimento pessoal e o conhecimento espiritual, tão ignorados durante os séculos da religião, são hoje o grande trampolim que a humanidade precisa para passar da imaturidade para a maturidade. Da inconsciência para a consciência, da dor para a cura.

Amadurecer não é um processo fácil, pois crescemos sem saber reconhecer emoções, sem saber identificá-las, sem ser capaz de dar-lhes os nomes certos, sem conseguir diferenciar as emoções normais de uma criança e pior ainda, sem ferramentas úteis e inteligentes para geri-las em adultos. Mas nos dias que correm é cada vez mais fácil e possível fazer esse investimento interior, amadurecer e evoluir é cada vez mais uma escolha, é um acto de responsabilidade pessoal e social pois não seremos membros úteis, saudáveis e conscientes, sem sabermos quem somos e com que talentos escolhemos nascer para deixar a nossa marca no mundo.

Se queres perceber melhor a tua pessoa, perceber o teu processo de maturidade pessoal, a tua história Karmica, a tua missão, o teu momento actual, desafios passados e oportunidades presentes, envia email para veraluz@veraluz.pt ou liga 967988990 para marcares a tua consulta ou encaminha para quem precise.
Bem hajas e até já!
Vera Luz

Imagem de Ryan McGuire por Pixabay

 

Mais sobre o tema da (i)maturidade;

As dores da infância e o processo de maturidade

 

Share.

About Author

Leave A Reply