O papel do “outro” na nossa vida

0

Numa história Oriental:

“O discípulo pergunta ao Mestre;
– Mestre, como posso tratar os outros, principalmente os que ainda expressam violência e raiva?
O Mestre responde;
– Não há outros…”

Até ao momento em que despertamos para o nosso mundo interior, para a nossa história individual e começamos a assumir responsabilidade pela nossa energia e pela nossa contribuição ao mundo, vivemos ausentes de nós próprios, deslumbrados com a diversidade e complexidade do mundo.
Ainda inconscientes da nossa responsabilidade pessoal de sermos co-criadores dessa realidade e que ela faz parte do nosso desafio pessoal, tudo faremos para a controlar de maneira a criarmos o mundo perfeito, com as pessoas perfeitas que ansiamos viver.
Não sabemos ainda que a única maneira de mudar o mundo, é mudando a nossa energia interior, desactivando todas as frequências do medo e activando as energias do amor. Será apenas uma questão de tempo até que essas idealizações e fantasias de perfeição e controle rebentem, tal como bolas de sabão, para que possamos cumprir a proposta original da vida;
– Rendermo-nos à vida tal como ela é.
– Aprender a ver todos os movimentos como inteligentes e cheios de sinais para cada história individual.
– Estudar as Leis Universais de maneira a percebermos esses movimentos.
– Relembrar que talentos e dons trazemos dentro de nós para levar mais luz ao mundo. Cada ser humano que aceder à Luz deixará de ser.
– Aproveitarmos cada momento para expressarmos a mais elevada versão de nós próprios.

Até acedermos a essa maravilhosa sabedoria e visão superior, a ilusão de que a nossa felicidade, equilíbrio e segurança se encontra algures no mundo continua…

– “Vera eu vivo com uma pessoa muito difícil. É uma pessoa insensível, sem empatia nenhuma, um tanto bruta. Nunca senti esta pessoa como um parceiro pois faz a sua vida como se eu não existisse e quando está comigo não me valoriza ou respeita. Mas como a mãe dessa pessoa já era assim eu até entendo e desculpo. Se ele fizesse um esforço ou desse valor à minha paciência e dedicação tudo seria maravilhoso.”

Sempre que ouço alguém ainda preso neste discurso, eu pergunto;
-“Já percebeste porque atraíste essa pessoa e o que pretendes fazer com essa relação?”

E esta é a pergunta que a maior parte tenta evitar…….
Perceber esta pergunta implica aceitar a responsabilidade de ter co-criado uma relação sem qualidade. Implica que está na minha mão fazer o que é melhor para mim. Implica aceitar que o outro tem a liberdade de ser quem é. Implica que para fazer o que é melhor para mim terei que mudar a minha vida e ir em busca de uma nova realidade mais feliz para mim.
Infelizmente a maior parte das pessoas ainda está presa no jogo “eu mudo para ti e tu mudas para mim”, jogo esse que nos cria apegos e obsessões doentias pelo outro.

A maior parte das pessoas, se eu deixasse, seria capaz de estar a falar dos comportamentos dos outros por horas. O que o outro fez ou disse ou devia ter feito. O que o outro não fez ou fazia mas já não faz. O que o outro podia ter feito e mais as razões que explicam ou justificam os mais variados comportamentos. De vez em quando, se eu não disser nada, ouço profundas análises dissecando de todas as maneiras, o outro.

Muitos são os que ainda não aprenderam a ver o outro como um meio de saberem mais sobre si mesmos. Não percebem que o que estão a ver é apenas um espelho do que vive inconsciente dentro de si mesmos em frequências diferentes. O outro é uma materialização de energias nossas que vêm à nossa vida para serem reconhecidas e actualizadas. A partir do momento em que as reconhecemos e saramos interiormente, mudando assim a nossa energia, a relação irá também consequentemente mudar. Ou o outro acompanha o nossa mudança vibratória ou a relação irá tornar-se impossível.

Ninguém nos ensinou que a nossa vida é uma continuação de uma história que já vem de traz. Que esta vida é apenas mais um episódio de uma gigante novela que já não nos lembramos como começou e está longe de terminar. Dentro ou fora das relações, o nosso trabalho pessoal interior irá ser feito.

Se queremos viver sob a lei do amor e integrar a espiritualidade na nossa vida, é essencial aprendermos a olhar para os outros como extensões da nossa energia. Como espelhos do que em nós não vemos. Como espíritos companheiros que inconscientemente conspiram para o nosso equilíbrio interior. Como carteiros cósmicos que de maneiras mais amorosas ou violentas, não desistem de entregar o seu correio. Como testes desafiantes que nos convidam a escolher. O outro é um meio para nos conhecermos e não um fim em si. O outro é apenas um visitante na nossa história que nos vem dar a oportunidade de a reconhecermos e de nos empoderarmos. Assim não interessa então o que o outro fez ou disse ou é mas sim o que NÓS escolhemos fazer com o que o outro fez ou disse ou é.

Bem Hajam!
Vera Luz

Partilhe =)

Sobre o autor

Deixa um comentário

*

code