Não há relações falhadas!

0

Não há relações falhadas! <3 É tão comum referirmo-nos às nossas relações passadas como "falhadas". A ilusão do "felizes e juntos para sempre" é ainda tão forte que nos faz partir do princípio que toda a relação que não cumpre aquele pressuposto de duração eterna, é um falhanço. Mas será bem assim? Mais do que olhar para o fim da relação e para todas as ideias e emoções negativas a ela associadas, precisamos repensar a ideia de que ela "falhou". Falhar deixa implícito que havia uma expectativa de que ela fosse bem sucedida, i.e., que o outro fosse fonte de amor eterno e que durasse para sempre. Basta ela terminar para que haja drama e para que a desilusão da nossa prévia ilusão, nos afunde em sensações de rejeição, solidão e abandono todas projetadas em quem se atreveu a fazer a bolha da ilusão rebentar. Ou seja, ao invés de a base das nossas relações assentar numa parceria saudável, onde duas individualidades se revelam na sua diferença, partilham os seus atributos únicos, contribuem e crescem, tanto interiormente como fora de si, entramos nas relações com a intenção de provar que o "felizes e juntos para sempre" é mesmo possível. Os duros litígios das relações assentam normalmente em julgamentos e acusações que mais não são do que a revolta que sentimos quando percebemos que o outro não está à altura do nosso ideal interno, da imagem perfeita que fizemos dele. Pior do que este tipo de projeção, é tornarmo-nos incapazes de ver a realidade, de observar quem é o outro, de analisar porque os atraímos e o que temos a aprender com eles. A lente idealista que busca a relação perfeita é a mesma que vai ver* apenas as qualidades da pessoa perfeita e a mesma ainda que se vai zangar quando um dia comprovar que afinal aquela pessoa não é perfeita. Será então o outro que nos desilude? Ou somos nós que nos desiludimos da nossa própria ilusão? Todo o tipo de relação esconde aprendizagens maravilhosas. Há anos que o meu trabalho ajuda a descodificar qual o papel das várias pessoas que nos rodeiam e que mensagens têm para nós que precisamos aprender a descodificar. Caso contrário, diferentes pessoas virão trazer a mesma proposta. É impossível viver uma relação sem que ela nos transforme de alguma maneira e se não estamos disponíveis para as aprendizagens mais difíceis e transformações mais profundas, não só não teremos acesso a patamares mais leves de amor e intimidade, como corremos o risco de repetir as velhas lições com parceiros novos. O fim de uma relação não indica que ela falhou. A relação que rotulamos como falhada terá grandes probabilidades de ser repetida de forma a que a jóia seja encontrada. O fim de uma relação indica sim que aquelas duas pessoas mudaram a vibração que as mantinha juntas. Indica que talvez as aprendizagens não tinham condições de serem feitas ou indica talvez que as aprendizagens já estavam feitas e mesmo havendo amor, a relação já não fazia sentido para uma ou ambas as partes. O trabalho de busca da jóia, ou mesmo várias jóias quando as relações são mais longas, é sempre pessoal, interior e só nosso. É essencial no fim de qualquer relação, trazermos sempre a jóia, mesmo que ela esteja enterrada no fundo de uma lama escura. É essa jóia que assinala que a aprendizagem foi feita, que revela o contributo daquela pessoa à nossa história e que irá garantir o acesso a um novo e mais elevado patamar de experiências onde novas jóias irão ser reveladas. Vera Luz

Partilhe =)

Sobre o autor

Deixa um comentário

*

code