Amadurecendo com Saturno

0

Cada encarnação traz consigo o convite de aprendermos a lidar com a matéria, de encontrarmos a Unidade na Dualidade, de harmonizarmos o espírito e o material na experiência terrena. Para que essa experiência seja feliz, sólida e harmoniosa precisamos conhecer limites, seguir regras, ou seja uma qualquer ordem que nos ajude a manter o pêndulo energético interior em equilíbrio.

A ordem e estrutura, a responsabilidade que nos é pedida e que esperamos dos outros, a seriedade, exigência, trabalho, esforço, correção fazem parte então da energia séria representada por Saturno.

Saturno é sentido dentro de nós como o Grande Mestre, a ordem, a voz da razão ou da consciência, é o sentido adulto de dever, coragem ou determinação e de fazer a coisa certa. Logo, onde quer que ele esteja no nosso mapa ele irá mostrar-nos o que ainda não funciona, onde ainda não amadurecemos e espera que estejamos à altura do desafio encarando-o com a humildade, responsabilidade e maturidade que lhe são características.

Podemos associar esta energia ao Arquétipo do Juiz ou qualquer figura de autoridade justa, correcta, idónea capaz de impor essa mesma ordem através das leis terrenas nos tribunais e das leis universais como por exemplo a lei do karma.

Na mitologia grega, Saturno tem o nome de Chronos, o Deus do Tempo. Não o tempo como o conhecemos aqui na Terra mas o Tempo eterno, sagrado. Não o que dita os anos da nossa existência nesta vida mas o que refere à existência da nossa alma. Logo ele não se limita às barreiras do que fizemos ou deixamos de fazer na vida presente mas abarca todo o tempo da nossa existência responsabilizando-nos assim por tudo o que já tenhamos feito mesmo em vidas passadas.

Em tempos antigos Saturno era visto como o grande maléfico pois a sua influência nos planetas do nosso mapa é sentida como um tempo de enfrentar consequências dos nossos actos passados e logo nunca é uma presença fácil ou leve.

No entanto se ele é implacável a devolver os retornos do que de pior saiu de nós, também o é a devolver o retorno dos nossos esforços, da nossa responsabilidade, do nosso compromisso connosco próprios e da coragem com que enfrentamos humildemente e responsavelmente os nossos desafios e convites de maturidade.

Sempre que conseguimos conquistar o respeito deste Grande Mestre ele revela-se beneficamente colocando-se a nosso favor, fazendo-nos sentir a sua força, autoridade e maturidade ajudando-nos assim a conquistar a tão maravilhosa maturidade, autoridade, poder e estrutura tanto dentro de nós como lá fora no mundo.

Escusado será dizer que o grau de maturidade em que a terra se encontra é ainda bastante baixo e imaturo. Muitos são os que ainda não se responsabilizam pelo que atraem, ainda projectamos muito nos outros, culpamos os outros pelos nossos males sem noção nenhuma da nossa responsabilidade como co-criadores da nossa vida.

A responsabilidade que Saturno pede não se resume a ser uma boa pessoa, com as contas em dia, que cumpre tarefas e horários. A responsabilidade que Saturno nos pede vai muito mais além. É a responsabilidade sobre o estado da nossa célula individual, como estamos a cuidar das nossas varias áreas de vida, se estamos em equilíbrio com os desafios e propostas de crescimento dos nossos planetas pessoais trazidos até nós por quem vamos atraindo pelo caminho. Podemos então ser cidadãos exemplares, profissionais exímios, pais, esposos ou filhos dedicados, mas se existe descompensação interior para excesso ou falta nas áreas da valorização pessoal, liberdade, coragem, autoridade, crenças, disciplina, expressão, comunicação, etc, Saturno irá trazer a proposta de reequilíbrio.

Os seus maravilhosos anéis lembram-nos que a autonomia e responsabilização pela nossa pessoa devem ser feitas com escolhas e são essas escolhas que irão definir os limites do que e quem queremos ou não nas nossas vidas.

No entanto sendo ele o Grande Mestre e representante da lei do karma, nada virá ou irá sem que paguemos o respectivo preço kármico.

Onde quer que Saturno esteja no nossa mapa natal, em transito ou nos contactos que ele esteja a fazer com os outros planetas, estamos debaixo do seu radar exigente de crescimento, amadurecimento de responsabilização pela nossa postura.

Se já estamos conscientes desta energia iremos ver os outros e os eventos como propostas ou oportunidades de conquistar o respeito de Saturno, confiando e aceitando com humildade que o que quer que ele nos esteja a trazer à nossa vida, é nosso e chegou o tempo de saldarmos essa conta.

Se ainda não reconhecemos o poder do Grande Mestre estaremos ainda ignorantes sobre as dinâmicas karmicas, inconscientes de que o desafio ou alguém está a trazer-me uma velha história algures perdida no tempo a que nós próprios demos inicio e que agora volta em busca de equilíbrio tanto dos excessos como das faltas.

Ou seja, tanto traz a oportunidade de equilíbrio ao submisso para que resgate o seu poder e autoridade como irá abordar o abusador do poder e verificar de que maneira foi conquistado e é mantido. Se não foi criado pela Ordem superior de amor e equilíbrio, irá ser posto em causa,

Caso não haja equilíbrio, nenhum transito de Saturno será fácil para nenhum dos polos e ambos terão os seus diferentes preços a pagar.

Precisamente porque exige esforço, seriedade e responsabilidade sempre que nos contacta, Saturno obriga-nos a fazer o difícil, o que normalmente evitamos, o que nos faz suar, deitar lágrimas e sangue se for preciso. É por isso que ele vai sendo uma presença cada vez mais confortável ao longo da vida conforme também vamos amadurecendo.

O grau onde temos Saturno no nosso mapa é então um nó kármico preso algures no tempo que vem a esta vida em busca de resolução, consciência, humildade e responsabilização. Ele aponta para uma área de vida onde já estivemos irresponsavelmente e que agora retornará na forma do nosso mais forte medo que iremos ao longo da vida aprender a superar.

Se considerarmos que todos temos o Mestre algures no nosso mapa, que todos trazemos um qualquer dilema kármico do passado, que todos temos uma área de vida que nos assusta e nos exige mais do que alguma vez acreditámos que poderíamos dar, aprendemos a ser mais tolerantes connosco e com os outros, lembrando assim que todos somos humanos com qualidade e defeitos.

 

Escorpião representa o nosso mundo interior, as nossas sombras, os nossos medos, o que temos de menos bom e que tudo fazemos para esconder do mundo, seja a mais bruta e feita violência como o pior medo, rejeição ou insegurança.

Para esconder todo o seu drama interior, Escorpião mente, engana, manipula, agride, disfarça, faz o que for preciso para manter o controle interior e exterior. No entanto, o seu verdadeiro poder interior só é acedido quando desiste de resistir, quando assume transparentemente o seu interior, quando se pacifica com as suas sombras perdendo assim o medo da exposição e acedendo ao seu poder e imenso valor interior. Todos temos Escorpião algures no nosso mapa e será aqui que Saturno irá passar esta época balnear a fazer já todos percebemos o quê..

Este verão iremos poder assistir ao que já nos foi mostrado os últimos dois anos tanto a nível global como a nível pessoal. Ou seja, é natural que sintamos que estamos a passar pelas mesmas dores, pessoas, dramas ou sensações que vêm testar se os medos ainda cá estão, se ainda trememos e fugimos como há 3 anos atrás ou se entretanto já crescemos e amadurecemos com a experiencias passadas. Se os assuntos já foram tratados, ótimo! Se ainda não foram totalmente limpos, teremos uma oportunidade única.

Fiquemos atentos então aos esquemas de sobrevivência que ainda se alimentam do controle, do apego, do medo, da resistência, da manipulação e das maneiras como irão ser desmontados. Observemos os abusos de poder a serem expostos, desmascarados, punidos pois só a dissolvência da resistência irá permitir que a água flua e que o equilíbrio se restabeleça. A todos os que ainda resistem a resgatar o seu poder, a enfrentar os seus dragões, a superar os seus medos, ainda presos a situações de abuso e pessoas descompensadas e tóxicas, é um momento maravilhoso de resgate, libertação e coragem.

A postura da humildade, da rendição e da transformação para uma vida e postura mais autêntica, responsável e livre e serão essenciais para superar o que quer que a vida traga.

Não há nada mais cansativo e desgastante do que viver em esforço permanente de manter uma fachada perfeita, de conter o nosso mundo emocional e de esconder o que de mais denso existe em nós. Jamais iremos aceder a patamares de felicidade verdadeira enquanto não abrirmos todas as portas e janelas interiores e levarmos luz a todos os cantos da nossa casa interior.

A partir daí viveremos livres, sem medos, responsáveis pelas energias que carregamos, pacificados com quem na realidade somos; uma amálgama de energias densas e leves..

 

Bem Hajam!

Partilhe =)

Sobre o autor

Deixa um comentário

*

code