Achas que o mundo é um caos? Acorda!

0

São comuns as emoções que as pessoas trazem para as consultas;
Frustração
Raiva
Culpa
Medo
Solidão
Abandono
Tristeza

Há muitos anos que percebi, não só por observação, mas também na minha própria vida, que não são propriamente os eventos do mundo que despoletam essas emoções tão densas, mas sim a maneira como lidamos com os eventos.
Não é difícil encontrar reações diferentes para o mesmo evento, por exemplo, um despedimento para uma pessoa pode ser encarado como o fim do mundo que irá gerar revolta, injustiça e pânico. Para outra, com o mesmo grau de responsabilidades, pode ser sentido como uma libertação e a maravilhosa oportunidade e sinal divino de que chegou o tempo de seguir um projecto pessoal e dar-lhe vida na forma de um negócio próprio.

Para explicar este fenômeno e perceber o que difere de cada um, temos que ir à raiz da nossa árvore emocional e tomar consciência do estado em que estão as nossas fundações.
Será que a nossa árvore tem uma raíz de medo ou uma raiz de amor?
Será que acreditamos que a terra onde a nossa árvore se alimenta é árida, seca, sem água ou nutrientes ou pelo contrário confiamos que ela é amorosamente sustentada pela Mãe Natureza e pelo Pai Céu e terá sempre as melhores condições para crescer apoiada, forte e amada?

Por observação, vejo que a maioria vive inconsciente da sua própria árvore e pior ainda, da responsabilidade que têm pelo estado de saúde dela. Logo não é de admirar que se sintam sem “chão”, sem força, sem “ânimo” = Vida, e com o seu mundo emocional em total desequilíbrio, cheio de emoções reprimidas, vivendo em permanente medo da próxima tempestade.

O denominador comum de todas estas pessoas é uma visão extremamente idealista ou perfeccionista da realidade, cheia de expectativas irrealistas e fantasiosas, que depois, obviamente com o tempo, apenas gera embates violentos com a realidade na forma de desilusão, frustração, raiva e sentimento de injustiça.
Enquanto esta visão falsa e distorcida da realidade não for posta em causa por algum evento da vida, estas pessoas vivem em negação, escondidas numa bolha ilusória, tentando recriar dentro dela uma fantasiosa vida perfeita, até ao dia em que a Vida vem rebentar a bolha.

Será que a Vida é assim tão “má” quando vem rebentar a bolha?

Mais uma vez depende da nossa visão.
Para o nosso ego, o mestre do drama e o grande construtor de ilusões, o rebentar da bolha “É” o que causa todas as emoções acima citadas, e logo não irá parar enquanto não encontrar um bode expiatório para culpar em quem irá projectar a sua dor, seja ele Deus ou alguém lá fora no mundo. Sempre numa atitude infantil, o ego irá aproveitar estas situações catastróficas para se vitimizar, desresponsabilizar e confirmar a sua crença de que o mundo é um sítio feio, frio e injusto.

Espiritualmente falando, o rebentar da bolha é um acto de amor da Vida.
É um convite para voltarmos à realidade e nos empoderarmos da nossa viagem.
É uma proposta de cura das nossas raízes.
É uma oportunidade de crescimento e maturidade em que teremos que deixar ir a fantasia para assim podermos fazer as pazes com a realidade dual.
É um empurrão cósmico da Vida que melhor do que nós, sabe que é ancorada na realidade que a nossa árvore pode criar raízes fortes e saudáveis e viver em abundância entre a Mãe Terra e o Pai Sol. Jamais dentro de uma bolha de ilusão.

Não é fácil abrir mão da nossa ilusão. Dentro dela tudo é perfeito ao contrário do mundo lá fora que, por vezes, parece violento demais para o que possamos suportar. Mas aos poucos a sabedoria irá chegar a nós com a confirmação de que todos os movimentos da vida são inteligentes e mesmo aquilo que é aparentemente violento, esconde leis inteligentes e dinâmicas amorosas que precisamos urgentemente aprender.

Infelizmente a ignorância sobre o que é a vida e os processos de maturidade emocional e evolução espiritual prendem-nos nestas ilusões de como as coisas “deveriam” ser e que pode, durar uma vida inteira ou mesmo várias vidas.
Mesmo quando a vida nos tenta rebentar a bolha, a nossa resistência à mudança trata logo de recriar outra.
Não é de estranhar então a célebre frase “Está-me sempre a acontecer a mesma coisa! “.
Se o Universo pudesse falar, diria, “Passo o tempo a rebentar bolhas de ilusão! “
Novamente duas visões diferentes da mesma realidade…
Levamos tempo, por vezes vidas, a aprender que fonte da dor não vem do rebentamento das nossas bolhas, mas sim de as criarmos e da nossa resistência em mantê-las.

Quando todos conseguirmos ver o mundo pelo olho do espírito, iremos ver um espectáculo maravilhoso de leis cósmicas universais que estão a cada momento a levar ordem e equilíbrio a todos os eventos. Que por trás do mais bonito gesto ou do mais violento acto se esconde a mais bela dádiva do livre-arbítrio. Um presente dos Deuses para cada um de nós para podermos fazer as nossas experiências livremente. Que esse livre arbítrio faz accionar a lei do karma responsabilizando cada um pelas acções escolhe por em movimento. E para que a realidade não fosse de facto exageradamente violenta, o tempo e o espaço foram desacelerados, dando-nos tempo para sentir, aprender e mudar a nossa acção.  Que pela lei da ressonância estaremos protegidos e nunca iremos atrair o que não é nosso assim como também não conseguiremos escapar ao que está na mesma vibração em que estamos.

Nas mais variadas situações ou áreas de vida, todos estamos a fazer estas aprendizagens. E como disse acima, o estado emocional em que estamos, o nosso discurso e as nossas atitudes podem dar-nos pistas verdadeiras sobre o estado da nossa árvore e é esse é precisamente o propósito das consultas. Antes que a vida venha rebentar a bolha, rebentamo-la nós, que é claramente muito menos violento e obviamente muito mais corajoso.
Dessa perspectiva não seremos mais vítimas do caos, mas sim mestres da nossa vida, responsáveis por curar o que atraímos.

Não temeremos mais as tempestades mas usaremos as mesmas para nos elevarmos e chegar a novos portos, a realidade mais abundantes que não conhecíamos antes.
E ao invés de reprimirmos e negarmos as nossas emoções, iremos fazer delas a seiva que a nossa árvore precisa para se fortalecer, viver forte, enraizada e segura.

Bem hajas!
Vera Luz

Share.

About Author

Deixa um comentário

*

code